Read Não se preocupe comigo by Marcelo Yuka Bruno Levinson Online

no-se-preocupe-comigo

Novembro de 2000. Nove tiros. Um dos mais contundentes e brilhantes músicos da geração 90, Marcelo Yuka, na época compositor e baterista da banda O Rappa, viu a vida se transformar ao ser alvejado por bandidos. Até então, sua trajetória seguia o caminho do melhor dos sonhos e, como ele mesmo diz, 'sonho de ninguém comporta a realidade de ter virado um aleijado'. Naquela hoNovembro de 2000. Nove tiros. Um dos mais contundentes e brilhantes músicos da geração 90, Marcelo Yuka, na época compositor e baterista da banda O Rappa, viu a vida se transformar ao ser alvejado por bandidos. Até então, sua trajetória seguia o caminho do melhor dos sonhos e, como ele mesmo diz, 'sonho de ninguém comporta a realidade de ter virado um aleijado'. Naquela hora, teve a certeza de que não morreria, mas seria preciso renascer. Perdeu a força para a bateria, perdeu a mobilidade para viajar com o grupo, mas, o pior de tudo - foi demitido da banda que ele próprio ajudara a criar. Amigo de bandido, de político, de policial, Marcelo Yuka se reinventou como artista e como pessoa. Sua preocupação social o manteve em cena. No processo de recuperação, convive até hoje com dores lancinantes e tem dificuldade para executar tarefas simples. Porém decidiu experimentar novas possibilidades - na música, nas artes e até na política. Neste livro, Yuka faz um relato de alma, mantendo um compromisso raro com a verdade de suas angústias e alegrias. Apesar das dores dos anos, Yuka manteve uma sensação de juventude pulsante que o fez seguir criando. E mesmo que sua história possa indicar o contrário, ele não abandonou a crença de que o melhor ainda está por vir....

Title : Não se preocupe comigo
Author :
Rating :
ISBN : 9788543100364
Format Type : Paperback
Number of Pages : 240 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Não se preocupe comigo Reviews

  • Álvaro da Luz
    2019-03-27 08:53

    Talvez o Rappa seja a banda que eu mais assisti shows ao vivo na minha vida. De 1998 a 2002 acho que fui em todos que eles fizeram (até no Planeta Atlântida...mas tudo bem, quem nunca?...) . Então não poderia deixar de ler o livro do cérebro artístico daquela que já foi uma das minhas bandas preferidas. E que livro. Marcelo Yuka, meio autobiográfico, meio em crise emocional, meio metendo um dane-se, meio pedindo perdão. É sensacional. O livro relata sua infância, a formação como músico, a vida de excluído (pobre, feio e esquisito, como ele se definia, mas com excelente gosto musical). De Campo Grande para Angra, de Angra para o Rio, do Rio para a Baixada, cada capítulo é uma história deliciosa de ser lida. Depois o início do Rappa (a história é inusitada), os problemas da banda, o meio musical, as ONGS, o encontro com Marcinho VP, Wally Salomão, a campanha para vice prefeito do RJ, dentre outros. Além, é claro dos detalhes do incidente em que Yuka leva nove tiros, e escapa da morte sem saber como. Acho que nunca me identifiquei tanto com os aspectos de vida de um artista. Não sou dado a estas coisas de ídolo até porque acho que cada um tem sua vida e sabe o que faz dela. Mas é incrível como em algumas passagens e formas de ver a vida e a ação com as outras pessoas eu me reconheci. Quem me conhece bem e por acaso ler o livro, vai saber do que estou falando. Mas vamos ao que é importante. O Rappa é uma banda que mudou uma geração através de letras fortes que te faziam refletir sobre a realidade. Hey Joe, Todo Camburão Tem um Pouco de Navio Negreiro, Candidato Caô, estão entre as clássicas. Lado A lado B é um disco antológico. A Minha Alma, V[ideoClip mais premiado da história da TV brasileira, é sensacional e realista. E tantas outras. Daria para ficar escrevendo páginas e mais páginas sobre as músicas e letras da banda. O bacana do livro é que ao contar sua história de vida você entende como diversas músicas foram construídas. Todo mundo que era fã ficou meio desesperado com a história dos tiros. Eu lembro do dia, do lugar e de quem me contou (meu amigo Pedro Ivo), dado o tamanho o choque. Mas o livro não da ênfase e nem o transforma em coitado, e sim detalha sua luta para se adaptar ao novo mundo, agora cadeirante. Na verdade é um relato de coração aberto, de muita luta e sofrimento, de um cara que tinha tudo e nunca ligou para nada, perdeu a liberdade, “mas continua a desafiar o mundo sem sair de casa” (perdão pelo trocadilho). Um Yuka artista, mais preocupado com conteúdo e mensagem (o que para mim é tudo...) do que forma ou estética. A sua relação com o Rappa é muito ruim e ele utiliza frases bastante pesadas para se referir a banda. Mas como todas as histórias tem três lados (o meu, o seu, e a verdade de fato), prefiro não opinar. As repercussões sobre o livro vão medir a febre do que foi dito. Mas é bem pesado. Sobretudo sua referência ao Falcão. A comparação com o que o Paralamas fez pelo Herbert e o que o Rappa fez pelo Yuka é chocante. É de se pensar sobre a maldade – ou bondade - do ser humano. Escolha bem com quem passar o resto da sua vida. Esta é a mensagem. O livro é tão "de peito aberto" que ele encerra com um pedido de perdão, que, com sua licença, vou transcrever aqui.“Eu peço perdão por minhas escolhas terem afetado minha família. Eu peço perdão pela minha imaturidade. Pelo meu senso de humor. Eu peço perdão porque tudo o que proponho para fora só faz sentido se existe dentro”É um baita livro. Da vontade de ler em uma sentada. Tenho certeza que quem cresceu admirando o Rappa, e as letras do Yuka, vai gostar muito. Quem não passou por isso, vale conhecer um poeta de altíssimo nível. Afinal todas aquelas letras sem música, são apenas poesias.

  • Felipe Pontes
    2019-04-17 10:11

    O livro do Yuka repercutiu bastante, principalmente pelas palavras dirigidas aos ex-integrantes da banda que ele mesmo criou, O Rappa. Por ser também autobiográfico, conta detalhes que não seria possível saber de outra forma. Pra quem foi (ou é) fã da banda, ou para quem tem curiosidade sobre a vida do artista antes, durante e depois do incidente que o deixou paraplégico, é um livro imperdível.